SEGUNDA-FEIRA, 6 DE MARÇO DE 2023 ÀS 16:11:44
Médica é detida por suspeita de embriaguez ao volante

Uma médica de 29 anos foi detida na noite de domingo (5) em Araçatuba (SP) por suspeita de embriaguez ao volante, após populares denunciarem que ela estaria conduzindo um veículo pela contramão e até subindo na calçada momentos antes.

 

Segundo o registro policial, por volta das 23h equipe da Polícia Militar estava em patrulhamento pela rua Baguaçu e foi informada que havia um Jeep Compass branco, que era conduzido perigosamente por uma mulher.

 

As testemunhas indicaram o carro seguindo pela mesma via, logo à frente e a tentativa de abordagem aconteceu na rotatória com a avenida Pompeu de Toledo. De acordo com os policiais, apesar de terem acionados os sinais sonoros, a condutora só parou quando já estava na frente da concessionária da Chevrolet, próximo ao Araçatuba Shopping.

 

 

Agressiva

Segundo os policiais, a mulher desceu do carro cambaleante, alterada e aparentando estar embriagada. Questionada se havia feito uso de bebida alcoólica ou outro entorpecente, a investigada teria respondido de forma arrogante que havia feito uso de medicamento psicotrópico.

 

Esses medicamentos têm como principal indicação o tratamento da ansiedade ou a indução ou manutenção do sono. Como atuam sobre o sistema nervoso central, eles afetam os processos mentais e alteram a perceção, as emoções, afetando o comportamento de quem os consome.

 

Os policiais pediram a ela que indicasse alguém para buscar o veículo e como a investigada informou que não tinha quem chamar, foi informada que ele seria recolhido por um guincho.

 

 

Alterada

Ainda de acordo com a polícia, a médica teria se alterado, recusando ser levada para a delegacia e ficado agressiva, sendo necessário uso de força para contê-la e algemá-la para conduzi-la ao plantão policial.

 

Consta no boletim de ocorrência que na delegacia a mulher se manteve arrogante e agressiva e teria distratado os policiais civis e militares. Questionada sobre possível embriaguez, ela disse que trabalha como médica em Birigui e confirmou que havia feito uso de medicamentos psicotrópicos. Por isso, não poderia e não teria consumido bebida alcoólica.

 

Ela concordou com a retirada de sangue para exame de dosagem alcoólica e foi encaminhada ao IML (Instituto Médico Legal) para a coleta do material. O caso foi registrado como embriaguez ao volante e após o registro da ocorrência ela foi liberada.

 

A Polícia Militar não informou se foi feita autuação por embriaguez ao volante, que pela lei, inclui dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência.


Fonte: Hojemais